Buba
28 abril 2005
  Sem perdão
Choque violento foi o que me provocaram as imagens de sofrimento do Papa João Paulo II a fazer-me lembrar o martírio de Cristo. Violento foi ainda assistir às suas desesperadas e pungentes tentativas para nos dizer não sabemos o quê.
Ao vê-lo, senti como se de repente tivesse estalado uma tempestade assustadora e eu a estivesse a observar, amedrontado, por dentro dos vidros da janela; e, à medida que a borrasca ia aumentando, era como se os relâmpagos, as faíscas, os traços luminosos da tempestade riscando os céus se misturassem com as dúvidas, as ideias, os receios, os pensamentos que me provocavam e atravessassem os vidros da janela e começassem a entrar, casa dentro, inundando tudo; e eu fosse andando, no meio de tudo aquilo, tentando dar-lhe sentido à luz do transcendente e a perguntar-me:
-Serão estas imagens as de João Paulo II no acto de contrição e de entrega da Sua alma a Deus às portas do Paraíso?
-Ou será um acto de desespero de Deus a castigar, à vista de todos, o pecador que o traiu invocando em vão o Seu Santo Nome?
- Ou será antes o acto de desespero, não de Deus, mas de João Paulo II já nas vascas da morte a querer dizer-nos, a querer pedir-nos perdão por nos ter enganado, porque, tendo duvidado sempre, tinha agora a certeza de que Deus não existia?
Mãe... lembras-te de quando à noite eu ficava sozinho e tinha medo dos sons vagos, dos passos e das vozes ciciadas que vinham da escuridão? Já velho, continuo a ouvir as mesmas vozes, segredadas, os mesmos sons difusos de passos… a virem ter comigo… é a morte mãe… tenho medo. Querida mãe que estás no Céu... tu que nunca me mentiste, diz-me que Deus existe, diz-me mãe, ainda que me mintas… diz-me que sim, mãe, diz-me que Deus existe...
Mãe… tenho medo.

Fumo branco
Terminou finalmente o “big-show” da Igreja. Entre a morte de João Paulo II e a “eleição” do novo Papa decorreu o espaço de tempo indispensável para os lobbies dos poderes terrenos poderem formalizar o resultado dos seus jogos secretos e das suas golpadas do costume.
Sendo de todo evidente que, muito antes do fumo branco já tinha sido assegurada, sob a batuta de João Paulo II, a sucessão do seu favorito dilecto: Bento XVI.



Mãe.
Que vai ser dos Humildes, dos Esfomeados, das Crianças?... e das Mulheres, Santo Deus?
Mãe. Tenho medo… 
21 abril 2005
  A revelação


                                
                                                    Tu quoque fili mi?


Indulgências "Paulianas"




Mãe, tenho medo... 
salvadorprata@netcabo.pt

ARCHIVES
Setembro 2003 / Outubro 2003 / Novembro 2003 / Dezembro 2003 / Janeiro 2004 / Fevereiro 2004 / Março 2004 / Abril 2004 / Maio 2004 / Junho 2004 / Julho 2004 / Agosto 2004 / Outubro 2004 / Dezembro 2004 / Janeiro 2005 / Fevereiro 2005 / Março 2005 / Abril 2005 / Maio 2005 / Junho 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Novembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 /


Powered by Blogger