Buba
29 julho 2008
   
O DUCHE

Aquele ruído… De chuva forte. A cair no estrado de madeira e sobre o chão de cimento... monótono, monocórdico. E, talvez ainda e sobretudo, vagamente agressivo, ameaçador… Ao centro do balneário, uma espécie de palanque, de madeira qual torre de vigia de prisão de alta segurança… Lá em cima, um homem segurava nas mãos, duas agulhetas… Que, como se fossem armas de guerra, crepitavam em simultâneo ou alternadamente, jactos de água – quente e fria.
À volta, em semi-círculo, nas cabinas, com portas numeradas, os banhistas, na maioria doentes, mais ou menos idosos, aguardam, como touros nos curros, que as portas se abram e comece a lide do duche escocês...
Uma pancada leve na porta e uma voz avisa-me:
"o senhor doutor, quando quiser, pode entrar". Entro de seguida e os jactos começam a fustigar-me moderadamente os pés, as pernas, as costas, o peito...
Entretanto, passa um minuto ou dois e a voz do homem da agulheta vem em tom suave: "pode virar...". E eu viro. "De lado. De frente. Novamente de lado. De costas"... Macia, a voz continua, mais um pedido que uma ordem: "pode virar!"... "pode virar!"... Passam dez, quinze minutos...
Cala-se finalmente o som do que pareciam bátegas fortes de chuva a cair no estrado de madeira sobre o chão de cimento. "Muito obrigado" diz, servil, o homem da agulheta.
Depois, sentei-me numa cadeira a repousar já na cabina, a porta aberta, continuando a ver o que se passava no balneário:
Trôpego, inseguro, avançou um velho. Não era difícil ver que era de condição humilde: o rosto e as mãos tisnadas pelo sol, do sol a sol: provavelmente um rural da região a quem, os trabalhos do campo, uma vida inteira, sem resguardo do frio e da chuva, anquilosaram.
Das duas agulhetas, a água recomeça a jorrar: quente, fria...
A voz do homem, agora autoritária, vagamente hostil, impaciente comanda: "de lado!"... "de costas"!... "Vira!...", "Vira!..."
Agarrado ao varão de apoio o velho encolhe-se, fustigado pelas agulhas do jacto forte a furar-lhe as dobras da pele, vazias de carnes, a moer-lhe os ossos...
"cabrão filho da puta… pensei.
Sádico, o homem das agulhetas continuava: “Vira! Vira!”
…agarrado ao varão o velho não virou mais. Tinha chegado ao limite. O homem da agulheta rodou os manípulos e veio o silêncio.
O velho ficou ainda algum tempo dobrado sobre o varão... Por fim, endireitou-se, olhou, de frente, o homem da agulheta e murmurou: “muito obrigado”...
E foi andando, de regresso à cabina, mais trôpego… e ia jurar, mais doente, mais velho, do que antes do “tratamento”…

Virando-se de novo para as cabinas, o homem das agulhetas voltou a gritar: "Outro"...
Com dificuldade, vesti-me e saí.
Já no parque, sentei-me num banco, exausto… e, como que, vagamente angustiado…
Fechei os olhos, mas continuava a ver e a ouvir – não conseguia libertar-me – da imagem do velho agarrado ao varão e da voz autoritária do homem: “Vira!... Vira!...”
E, sobretudo, não conseguia libertar-me da dúvida de saber qual de nós dois: o homem da agulheta ou eu – que não fui capaz de socorrer o velho quando estava a ser fustigado – seria o mais perverso, o mais malvado …Que o mais cobarde, o mais nojento dos dois, eu sabia quem era…
Outono dentro… das árvores, soltavam-se folhas que iam caindo à minha volta e sobre mim, em sussurros murmurados, – que só eu ouvia –… tentando consolar-me. 
salvadorprata@netcabo.pt

ARCHIVES
Setembro 2003 / Outubro 2003 / Novembro 2003 / Dezembro 2003 / Janeiro 2004 / Fevereiro 2004 / Março 2004 / Abril 2004 / Maio 2004 / Junho 2004 / Julho 2004 / Agosto 2004 / Outubro 2004 / Dezembro 2004 / Janeiro 2005 / Fevereiro 2005 / Março 2005 / Abril 2005 / Maio 2005 / Junho 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Novembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 /


Powered by Blogger