Buba
15 abril 2009
   
SOLTAS



Dos que, como eu, em miúdos chafurdaram na fossa dos esgotos que da Quinta dos Apóstolos (a que depois chamaram Rua Lopes) escorria encosta abaixo, a céu aberto, até aos caminhos de ferro…
E onde as mães (geralmente varinas, vendiam peixe) chamavam aos filhos, filhos da puta. Mas, ai de quem as chamasse a elas… Que os filhos não perdoavam a quem ofendesse as mãisinhas…
Hoje as mães não chamam aos filhos filhos da puta… Talvez porque muitas delas nem sequer sabem quem são os pais dos seus filhos… sabem que andam por aí uns com os outros… Que por vezes também eles não conhecem pai nem mãi… São parentes uns dos outros, membros de novas famílias resultantes de coisas, de ocasiões que por vezes acontecem em qualquer lado, às vezes em pé, no autocarro ou outros sítios assim…



É a vida. Mudou. E é esta certeza, esta amargura que levo comigo. É assim…
 
06 abril 2009
   
SOLTAS

Parabéns Ivan.
Uma pequena lembrança do Avô.

MACACOS

Quando andava na “Aurora Social”, eu e os outros miúdos da minha Escola, íamos, as vezes, ao Coliseu ver os palhaços. Outras vezes íamos ver os macacos, ao Jardim Zoológico. Dávamos-lhes amendoins. Andavam por ali na Aldeia, que era o seu território:- algumas macacas “flirtavam”, ao que parecia, disfarçadamente, com outros macacos que as cortejavam… Como se fossem mulheres casadas…
Os macacos “maridos” se davam por isso, iam buscá-las, davam-lhes porrada, e metiam-nas em casa. Depois sentavam-se à porta e ostensivamente, olhando-nos de frente, em ar de desafio (…afirmação do direito de posse e propriedade da fêmea e de pujança viril?) faziam uma sarapitola… Nós, os miúdos, com os gérmenes de machos, já a ferver-nos no sangue, riamos, em gargalhadas altas, divertidos. As “colegas”, miúdas ainda, mas já sabidas, filhas – em regra – de putas batidas… cochichavam em risinhos “contidos” o olho colado – e talvez já guloso – no piço vermelho e sujo de molho do macaco cornudo….
…Como aconteceu a Darwin – alguns homens, parece, descendem de macacos:- existindo neles, o mesmo sentido da posse a mesma esperteza simiesca… Aliás este pormenor leva-me por vezes a pensar se não serão os macacos (ou pelo menos alguns) descendentes dos homens…

Já no que respeita às macacas tenho uma visão diferente e a mais vincada é a do seu amor maternal:- que não sei de macacas que tenham dado fim à vida dos filhos… embora com mulheres, e tanto quanto sei, já tenha acontecido:- algumas terem matado os filhos... As macacas não. Não sei de nenhuma.


São mais humanas…(1)


(1) E será também que ao contrário de muitas mulheres acreditam na Virgem Maria? 
salvadorprata@netcabo.pt

ARCHIVES
Setembro 2003 / Outubro 2003 / Novembro 2003 / Dezembro 2003 / Janeiro 2004 / Fevereiro 2004 / Março 2004 / Abril 2004 / Maio 2004 / Junho 2004 / Julho 2004 / Agosto 2004 / Outubro 2004 / Dezembro 2004 / Janeiro 2005 / Fevereiro 2005 / Março 2005 / Abril 2005 / Maio 2005 / Junho 2005 / Setembro 2005 / Outubro 2005 / Novembro 2005 / Dezembro 2005 / Janeiro 2006 / Março 2006 / Abril 2006 / Maio 2006 / Junho 2006 / Agosto 2006 / Setembro 2006 / Novembro 2006 / Dezembro 2006 / Janeiro 2007 / Fevereiro 2007 / Junho 2007 / Julho 2007 / Dezembro 2007 / Janeiro 2008 / Fevereiro 2008 / Abril 2008 / Maio 2008 / Junho 2008 / Julho 2008 / Agosto 2008 / Novembro 2008 / Março 2009 / Abril 2009 / Maio 2009 / Junho 2009 / Julho 2009 / Agosto 2009 / Setembro 2009 /


Powered by Blogger